Quer voltar ao mercado de trabalho e não sabe como? Confira o que deve fazer para encontrar uma boa recolocação: são 10 dicas incríveis.

Perder o emprego pode gerar uma tremenda insegurança, principalmente com o mercado oscilando a todo momento, mas vendo por outro ângulo, pode ser uma chance de conseguir algo melhor.

No primeiro instante pode soar estranho, contudo, para conseguir uma boa recolocação no mercado de trabalho, fica mais fácil se o objetivo for claro seguindo o planejamento certo e com muito foco.

Abaixo veja dez dicas para conseguir um novo emprego sem passar por tantos transtornos:

1 – Ordem nas finanças

Qualquer pessoa que se vê desempregada fica insegura, tanto emocional como financeiramente. Mas, Calma! Comece dando uma equilibrada nas contas deixando o mínimo possível para depois. Lembre-se que pode ficar algum tempo sem trabalhar, mas nem por isso deve entrar em pânico.

2 –Quais são seus objetivos de carreira?

Faça um balanço de toda sua caminhada profissional, organize uma lista de tudo que conquistou e aprendeu nesse tempo e defina as conquistas que obteve e seus aprendizados, durante esse tempo. Lembre-se da experiência que ganhou, isso vai deixa-lo com o ego mais massageado. Agora é hora de avaliar o quê, de fato, pretende na carreira profissional. Avalie bastante, pese prós e contras e não faça nada de cabeça quente.

3 – Currículo atualizado

Um bom currículo é uma excelente porta de entrada, principalmente se for caprichado, ressaltando todas as suas experiências profissionais, seus níveis de escolaridade. Não esqueça de espalhar nas redes sociais tipo Linkedin, caso tenha. Sempre aparecem ótimas vagas profissionais. E se deseja uma vaga específica, destaque suas qualidades no assunto.

4 – Frequente cursos e palestras

Esteja sempre em desenvolvimento e aproveite seu tempo para aprender mais, sobretudo no área que lhe interessa. Habitue-se a frequentar cursos e palestras, esteja sempre atento a tudo que for passado e extraia o melhor possível. Mostre que estar desempregado não é necessariamente ficar parado. Atualize sempre seu perfil profissional.

5 – Você é o protagonista

Nunca se faça de coitado, muito menos culpe o mundo pelas suas desventuras. Tome as rédeas do seu destino e mude sua vida profissional. Seja o dono da situação, ninguém melhor do que você para saber o que é melhor e uma atitude positiva e autoconfiança, podem decidir sua entrada em um novo emprego.

6 – Não aceite clichês nem frases prontas

“Meu problema sempre foi trabalhar demais” ou “Visto a camisa”, essas frases não vão te ajudar, evite-as em entrevista de emprego, muito menos no currículo. Todo patrão conhece de cor e salteado. Expresse experiências que o destaquem no mercado de trabalho, mas sem parecer pretencioso.

7 – Conte a verdade sobre sua demissão

Seja honesto e não invente nenhuma história mirabolante na tentativa de impressionar seu possível empregador. Não precisa dar detalhes, responda o que for perguntado. Caso o motivo da demissão tenha sido deficiência sua, explique com cuidado, sempre ressaltando que fará o melhor para não errar de novo.

8 – Faça networking

Cuidado com sua rede de relacionamento, não a despreze, pois quem não é visto não é lembrado. Portanto, cultive sua rede de contatos, ligue para conhecidos e diga que está à procura de uma nova colocação. Seja breve e claro quanto aos seu objetivos profissionais.

9 – Aposte em empregos temporários

Não deixe passar nenhuma possibilidade, se aparecer uma vaga temporária segure-a, ela pode se tornar a sua entrada na empresa e ocupar um cargo mais almejado. Caso não fique, servirá como experiência.

10 – Empresas de recolocação ou (outplacement) ou head-hunters

É possível que ao ser demitido a empresa lhe dê uma consultoria para recolocação profissional, dependendo do cargo que ocupava, mas também pode ser contratado individualmente para ajuda-lo a identificar seu perfil profissional na hora da contratação.

Por Ruth Galvão


Confira aqui os valores e a tabela de pagamento do Bolsa Família 2017.

O Programa criado pelo Governo Federal, o Bolsa Família, é um dos mais importantes programas sociais que o Brasil possui. Ele possui uma cobertura que atinge pessoas de todo o país, atuando na diminuição da desigualdade social, tão forte no Brasil, combatendo assim a pobreza extrema e proporcionando às milhares de famílias brasileiras uma qualidade de vida melhor.

Contudo, principalmente em tempos de crise econômica, em que os produtos estão custando cada vez mais caros, e principalmente quando se inicia um novo ano, em que o salário-mínimo brasileiro recebe um reajuste, é natural a espera de um reajuste também na tabela de valores do bolsa-família.

Porém, ao que tudo indica os valores em 2017 devem continuar praticamente os mesmos do ano de 2016. Isso, devido à forte crise que o Brasil enfrenta e que até ameaçou o corte do programa.

O Programa Bolsa Família, em 2017, não será cortado, porém, os valores recebidos do benefício devem permanecer os mesmos.

Assim, os valores são: de R$ 39,00 para crianças; R$ 45,00 para jovens; R$ 85,00 por família. Lembrando que os valores podem variar a depender da situação em que as famílias se encontram.

Para que o trabalhador e as famílias tenham direito a receber o benefício do Bolsa Família, ele precisa estar de acordo com as exigências para participar do programa.

Dessa forma, para se definir o valor do benefício a ser recebido pela família, é considerado o valor da renda mensal de toda a família, considerando seus dependentes.

Para isso, existe uma tabela que determina os valores limites dos rendimentos mensais das famílias e determinam se há ou não o direito ao benefício. Nesse sentido, se o valor que a família receber ultrapassar o apontado na tabela, ela não tem direito a receber o benefício do Programa Bolsa Família.

De acordo com informações do governo, para 2017 a previsão é de que se aumente o número de beneficiados do programa. Já que em 2016 muitos trabalhadores perderam o emprego e consequentemente os rendimentos com os quais sustentavam suas famílias. O Programa Bolsa Família, que atendia 30 milhões de pessoas, neste ano deve atingir 50 milhões de famílias.

Confira abaixo o calendário de pagamento do Bolsa Família 2017:

Sirlene Montes


Saiba aqui como consultar o FGTS através do Portal Cidadão Caixa.

Para realizar a consulta do FGTS é bem simples, há três meios para tal, sendo a consulta pela internet, pelas agências e pelo telefone. A Caixa também envia frequentemente para seu endereço um extrato do seu FGTS, facilitando o acompanhamento da sua conta.

Caso queira consultar o seu FGTS pela internet é fácil, pode ser feito diretamente da sua casa. A Caixa desenvolveu um sistema eletrônico online onde é possível acompanhar os lançamentos que ocorrem em sua conta.

Para fazer a consulta apenas precisa ter conexão com a internet, acessar o site da Caixa Econômica Federal e estar em posse do seu número de PIS (Programa de Integração Social), além da senha para acesso, criada por você mesmo no próprio site. Acesse este link para ir diretamente para a área de consulta de FGTS.

Para tanto, você irá precisar de:

  • Número do PIS – é possível encontrá-lo na carteira de trabalho;
  • A senha para a internet – Caso você já tenha acessado alguma vez, caso contrário será necessário cadastrar

É possível consultar também pelo aplicativo da Caixa. Necessitando das mesmas informações citadas acima.

Extrato FGTS nas Agências

Se você não tiver acesso à internet é possível também realizar a consulta diretamente nas agências da Caixa Econômica Federal ou nas lotéricas, entrando na fila e realizando a consulta pelo caixa eletrônico.

Para a realização desta ou qualquer outro tipo de movimentação na conta do Fundo de Garantia é preciso ter em mãos o cartão cidadão, já que os beneficiários que comparecem nas agências necessitam portar a carteira de trabalho, onde consta o número do PIS e um documento original de identificação.

Extrato FGTS por telefone

Há também alguns canais de atendimento por telefone da Caixa, por meio do telefone, para sanar dúvidas sobre o Fundo de Garantia. Você pode telefonar para o SAC da Caixa no número 0800 726 0207, o atendimento ocorre de segunda a segunda, 24 horas por dia.

Ao fazer a consulta em alguma lotérica, se estiver disponível, o valor máximo para saque do Fundo de Garantia é de R$ 1.500,00, sendo solicitado o cartão cidadão, documento de identificação e senha pessoal.

FILIPE R SILVA


Confira aqui as propostas do Governo para a Reforma Trabalhista.

O anúncio da realização de uma reforma trabalhista no Brasil, proposta pelo governo de Michel Temer, surpreendeu e causou grande polêmica entre os trabalhadores brasileiros. O anúncio da reforma veio por meio de um pronunciamento do então ministro do trabalho, que procurou deixar bem claro que os direitos dos trabalhadores serão preservados.

Veja abaixo o que é proposto pela reforma:

– Mudanças na jornada de trabalho: Segundo a proposta, a jornada de trabalho deve aumentar para 48 horas na semana. Um aumento de 4 horas na jornada diária. A justificativa para esse aumento se deve ao fato de o trabalhador possuir uma certa flexibilidade em sua carga de trabalho, evitando assim ter que trabalhar aos sábados.

– Reforma da Previdência: De acordo com a proposta, a idade mínima para que o trabalhador se aposente deve aumentar, passando para 65 anos de idade, sem diferenças entre trabalhadores rurais ou da cidade e nem entre mulheres e homens.

– Flexibilização da CLT: Segundo a proposta a CLT precisa ser atualizada. Os direitos poderão ser discutidos e acordados entre o trabalhador e seu empregador e assim não poderão ser cancelados e nem exigidos outros direitos na justiça. Para isso existe o PL472, que prevê esse tipo de negociação entre as partes. Mas o que gerou muita discussão foi o fato de que benefícios que hoje são do trabalhador, como férias, 13º salário, salário mínimo, licença-maternidade e adicionais correm o risco de serem relativizados.

– Congelamento de editais de concursos públicos: a proposta também prevê a estagnação dos salários dos servidores públicos, bem como a reestruturação das carreiras e a oferta de cargos novos. Assim, a reforma impedirá a ocorrência de concursos públicos para os anos vindouros.

Segundo o próprio Presidente da República, Michel Temer, a proposta de reforma trabalhista será apresentada ao Congresso Nacional no próximo mês de Janeiro. Para o Governo a realização dessa reforma é uma ação muito importante que será refletida na economia do país.

Desde a anunciação dessa possível reforma, os movimentos trabalhistas já têm se manifestado contra a sua aprovação. Por enquanto o que se sabe é que a proposta será enviada ao Congresso, mas se ela será aprovada em seu ínterim é muito cedo para afirmar. Restando a todos os trabalhadores brasileiros aguardar o seu desdobramento.

Sirlene Montes


As férias são um direito garantido pela CLT e fazem parte dos direitos que o trabalhador não pode renunciar.

Todo trabalhador após 12 meses consecutivos de prestação de serviços a uma empresa, tem o direito a 30 dias de férias remuneradas. Este direito entre outros é garantido pela Constituição Federal. Todos sabem que o período de férias é um tempo de descanso do trabalho e que deve ser remunerado pelo empregador. Em caso de férias simples, em que depois de completado um ano de serviço, o empregado recebe os dias de descanso, junto a sua remuneração, acrescida de 1/3 do seu salário.

Na realidade não é obrigatório que o empregado tire suas férias imediatamente após um ano de vínculo empregatício. A lei prevê um período de 11 meses seguintes ao vencimento, totalizando 23 meses consecutivos de trabalho. Permitindo assim que haja um planejamento ou acordo entre as partes, na escolha do período favorável.

Porém, a partir do momento em que o período de 23 meses for ultrapassado e o empregado não ter recebido suas férias normais, o empregador deverá pagar o dobro dos vencimentos. O termo corretamente empregado para este caso é férias vencidas.

Enquanto no caso de férias comuns o trabalhador deve receber sua remuneração e um adicional de um terço do salário normal. No caso de férias vencidas é diferente, mas muito simples de calcular. Neste caso o empregador tem que pagar o dobro da remuneração e mais o acréscimo de 1/3 do salário mensal.

Geralmente as contadoras das empresas é que fazem este cálculo, mas se você já quiser fazer as contas para ter uma noção do que deve receber, observe o exemplo abaixo e veja como é simples.

Um trabalhador com férias vencidas que recebe mensalmente a quantia de R$ 1.200,00, deverá ter suas férias calculadas da seguinte forma:

R$1.200,00 x 2= R$ 2.400,00 (remuneração mensal multiplicada por 2)

+ 1/3 dessa remuneração = R$ 720,00 (é só dividir 2.400 por 3 )

Total a receber: R$ 3.120,00

Vale ressaltar que o valor que será recebido inclui o salário, hora-extra (média), adicional noturno, gratificações, comissões e outras verbas combinadas entre empresa e funcionário. Caso receba estes benefícios, considere todos eles na hora de fazer o cálculo das férias vencidas. As férias são um direito garantido pela CLT e fazem parte dos direitos que o trabalhador não pode renunciar.

Por Sirlene Montes





CONTINUE NAVEGANDO: